06 março 2009

Marés...

Todas as coisas têm o seu ritmo próprio... e nós não devemos ter a pretensão de o querer alterar...
Porque as coisas são assim. E pronto.
E para as coisas mudarem de alguma forma, era preciso todo um conjunto infinito de factores a ser conjugados para que algo mudasse de rumo.
E embora às vezes a nossa vontade seja muita, de que algo mude, de que as coisas fiquem diferentes... temos de ter consciência, e por mais que queiramos, não conseguimos fazer a significativa diferença que tencionamos ou que gostaríamos.
E por isso se às vezes nos chateamos porque as coisas são X e deviam ser Y... ou que o tempo passa depressa demais e nem temos tempo para fazer X e Y, e temos de optar só por uma.... ou que o tempo passa tão devagar que já estamos fartos de determinada coisa...

Isso não interessa. A não ser apenas a nós mesmos.
Nenhuma das nossas reclamações tem significado algum no sentido de algo mudar por as termos exprimido.
Por isso, em vez de nos queixarmos que as coisas não são como queríamos, e nunca nada é como gostávamos... temos de pensar que as coisas não podem agradar a todos... E coisas que agora não nos agradam a nós, agradam aos outros e vice-versa.
As coisas nunca podem ser à vontade de todos, isso seria impossível. Há sempre alguém que nunca concorda. Apenas se faz o melhor, dentro do possível.
Mas as pessoas contestam sempre, porque nunca está bem, nunca está como elas queriam.
Mas quem reclama e também não dá sugestões, nem se oferece para fazer melhor, também não conta. Quem diz mal e não se oferece nem dá ideias para fazer melhor, não tem moral nenhuma para falar mal seja do que for.
E por isso as pessoas revoltam-se, rabujam, fazem chinfrim, muito barulho, dizem mal de tudo e mais alguma coisa... mas também quando é hora de falar a sério, põem-se para trás... escondem-se a tentar que "não me vejam".
É a mais pura cobardia.
Ou assumem que fazem algo, ou então calam-se!
Fazer alarido de conteúdo oco, é de um nível muito baixo.

E como as coisas não mudam para o modo como nós gostamos, assim num estalar de dedos, o melhor mesmo é nós aproveitarmos o melhor delas. E o melhor que elas têm para nos dar... e irmos na onda...
Porque nada é mais desgastante, física e psicologicamente, do que tentarmos constantemente contrariar algo em vão...
Gastamos as nossas energias todas estupidamente...
E as coisas não mudam... Tudo fica igual...
Porque as coisas são assim... As coisas têm o seu ritmo próprio e não mudam quando nós simplesmente queremos... Mudam quando têm de mudar...
E não vale de nada tentarmos ir sempre contra a maré, estar sempre a remar contra as ondas... é um desgaste inglório!
Apenas devemos estar cientes do que queremos, saber aquilo que tencionamos fazer, e o caminho que pretendemos realmente seguir. Estar seguros das nossas metas e objectivos a atingir.
Porque de nada vale o vento estar a nosso favor, se não sabemos para onde ir...


1 comentário:

Luís disse...

Bem, não sei se é mesmo verdade, mas coitada será a pessoa a fazer o contrário na vela. :P Para todos que estejam a ler isto: se querem realmente ver como isto funciona, escolham uma estrela no céu e lembrem-se sempre dela.