20 março 2012

Fantoches...


Que somos nós senão fantoches? Há algum passo que demos que não seja controlado e registado até ao mais ínfimo pormenor? O que é que fazemos que não é submetido de imediato ao maior e mais rigoroso controlo por instâncias e objectos que nos ultrapassam largamente o alcance?

Aquisições controladas, passos controlados, movimentos controlados, sentimentos controlados?
Não somos mais do que fantoches mortos, comandados lá bem de cima do topo da hierarquia tecnológica ditatorial, naquilo que fazemos, naquilo que consumimos, nos sítios onde vamos, no que somos.

Comandados, controlados, vigiados, direccionados, guiados em tudo, até no que sentimos.
Como marionetas desengonçadas que só se mexem porque nos orientam os movimentos, que só se viram para onde querem que nos viremos, que só fazem aquilo que querem que façamos.

E nem um piu. Sem poder hesitar na corda bamba. Sem poder opinar o que seja. Ou sais de cena.

E quando o espectáculo acaba, os fios que nos prendem e guiam, soltam-se. E caímos desamparados no chão, sem qualquer força para nos erguermos.
Qual é o fantoche que prossegue movimentos sozinho por si próprio, mesmo depois de terminado o espectáculo?


1 comentário:

Xoru disse...

Há sempre alguém que quer mandar em nós... O pior de tudo é que as pessoas se rebelam contra os pais, família, professores, etc, etc...

E às vezes nem se apercebem que há outros que mandam muito mais em nós... e seguimos tudo o que eles querem...